Blogs
Featured Image
Xi JinpingShutterstock

Nota do editor: Este artigo foi publicado pela primeira vez no LifeSiteNews a 1 de Julho de 2021. Apresentamo-lo mais uma vez para dar início à nossa série sobre os crimes de direitos humanos de Pequim durante os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, uma vez que é um encapsulamento impressionante dos muitos abusos que os tiranos chineses têm imposto à sua população ao longo dos últimos 100 anos. 

(LifeSiteNews) – O Partido Comunista Chinês celebrou o seu 100º aniversário [a 1 de Julho de 2021] com uma exibição cuidadosamente coreografada de fervor nacionalista que não se via desde o auge do assassino Presidente Mao. 

O sucessor de Mao, o Secretário-Geral Xi Jinping, disse à enorme audiência reunida com precisão militar na Praça Tiananmen que “a era da China a ser massacrada e intimidada desapareceu para sempre.” 

Infelizmente, a era do PCC a massacrar e intimidar o povo chinês e outros parece estar marcada para continuar – pelo menos por algum tempo. O partido, agora com 94 milhões de membros, governa o povo chinês com um punho de ferro, como desde a sua fundação em 1 de Julho de 1921. 

A história assassina do Partido é demasiado volumosa para ser recontada aqui. Eu próprio escrevi muitos livros sobre o assunto, entre eles Broken Earth (1983), A Mother’s Ordeal (1993), Hegemon (2001), e o meu último, Bully of Asia: Why China’s Dream is the New Threat to World Order, sem começar a esgotar o assunto.  

Milhões de pessoas morreram durante a guerra civil chinesa, que se prolongou desde a década de 1930 até à vitória comunista em 1949. Mas isso foi apenas um prelúdio à verdadeira matança, quando Mao purgou os seus opositores, assumiu o controlo total, e procurou eliminar toda e qualquer oposição ao seu governo totalitário. Todos eram suspeitos, desde proprietários e homens de negócios, a intelectuais e estudantes, a minorias étnicas e crentes religiosos. Um após outro foram alvo de dezenas de campanhas políticas. Estas continuaram após a morte de Mao. 

Estimo que no total, cerca de 80 milhões ou mais de chineses, mongóis, tibetanos e uigures morreram às mãos da maior máquina de matança da história da humanidade. Como escrevi em A Mother’s Ordeal, só o grotescamente mal designado Great Leap Forward (1958-60) (Grande Salto em Frente) resultou numa estimativa de 45 milhões de mortes. Se acrescentarmos a isto os 400 milhões de pequenas vítimas da política de um-só-filho, o número total de vítimas do comunismo chinês salta para perto de metade de um bilião.  

A política de um-só-filho foi a campanha política mais longa do PCC – e a mais mortífera. Durante 35 longos anos, as mulheres chinesas foram perseguidas pelas autoridades comunistas, se se pensasse que tinham violado as restrições impostas pelo Partido à procriação. As que resistiram às ordens de abortar uma criança “ilegal” foram presas, arrastadas para fora das suas casas para veículos, e levadas à força para a clínica de aborto mais próxima. As mães próximas de dar à luz eram sujeitas ao aborto por cesariana. Os bebés “ilegais” nascidos vivos eram mortos por injecção letal. Quando fiz uma investigação numa cidade chinesa em 1980, fui testemunha ocular de tais crimes. 

Estas campanhas para eliminar opositores reais e suspeitos do regime continuam até aos dias de hoje. Actualmente, estão a ser conduzidas contra Católicos, Cristãos, Falungong, Uigures, Tibetanos e outros, e cada um traz consigo uma factura de carniceiro de inocentes presos, torturados e executados. 

Mas estas estatísticas horríveis não tanto iluminam, como obscurecem uma realidade subjacente importante: Cada uma destas vítimas era um ser humano único e insubstituível que, quer eles o compreendessem quer não, foi feito à imagem e semelhança de Deus. 

As “massas” são informadas pelo Partido que tais “lutas” são necessárias para alcançar uma utopia comunista. Mas o que tais campanhas realmente habilitam é uma pequena oligarquia de altos funcionários, liderada por Xi Jinping, para continuar a afirmar o controlo total sobre as pessoas e os bens dos seus irmãos chineses, acumulando opulência imensa e poder ilimitado no processo. 

Até aos últimos anos, os crimes do PCC foram em grande parte, embora não inteiramente, confinados dentro das fronteiras da China. Derramaram-se na Coreia no início dos anos cinquenta durante a Guerra da Coreia, evidentemente, e durante a conquista do Tibete em 1959. Mas, em geral, a China era fraca demais e demasiado subdesenvolvida tecnologicamente para brutalizar os povos fora das suas fronteiras. 

Isto já não é verdade. O mundo está actualmente sob ataque de uma arma biológica chinesa que foi criada como parte de um programa militar de guerra biológica centrado na cidade chinesa de Wuhan. Até à data, estima-se que houve quatro milhões de mortes em todo o mundo devido ao vírus da China. E o número continua a aumentar. 

Acrescente-se a isto o facto de Hong Kong estar a ser esmagada, Taiwan ameaçada com invasão, e países como a Austrália, que enfrentam as ameaças chinesas estão a ser alvo pelo Partido de tarifas económicas e de boicotes sancionados contra os seus produtos. Sob a liderança, cada vez mais megalomaníaca, de Xi Jinping – que parece estar na mesma trajectória que o paranoico Mao Zedong (Mao Tze Tung) – o Partido continua a ser uma ameaça, e agora não só para o povo chinês, mas também para o mundo inteiro. 

Actualmente, a pressão do PCC no poder parece inquebrável. Ao controlar a China desde 1949, o Partido já ultrapassou em três anos os 69 anos de existência da União Soviética. Mas a sua má governação continuada da China não é inevitável. 

O modelo económico comunista praticado pelo Presidente Mao desde 1949 até à sua morte em 1976 foi um fracasso mortífero. Foi substituído por um breve regresso à prática imperial chinesa tradicional de controlar de perto uma economia de mercado, que está agora a ser substituída por um regresso à propriedade estatal, impulsionada pela mania do Ditador Xi Jinping para um controle total. E esta é uma receita para o desastre económico, tal como nos ensinou, ao longo do último século, qualquer outra economia de comando da União Soviética – por exemplo, em relação à Cuba actual. 

Na verdade, o que mantém a economia chinesa à tona actualmente são as contínuas “transfusões de sangue” dos Estados Unidos. Estas “transfusões” apresentam-se sob três formas. Primeiro, o roubo contínuo da propriedade intelectual dos EUA por espiões e hackers chineses, que se estima sejam centenas de milhares de milhões de dólares por ano. Segundo, há as centenas de milhares de milhões de dólares dos mercados de capitais dos EUA que fluem para a China cada ano, cortesia de Wall Street. Terceiro, e finalmente, há o desejo aparentemente insaciável de adquirir bens baratos, fabricados na China, por parte das grandes lojas de caixas e dos consumidores americanos. 

Isto significa que os Estados Unidos precisam de adoptar três políticas: 

  • aumentar ainda mais as tarifas do Trump (Nota do editor: Sim, elas ainda existem, mesmo após mais de um ano do regime de Biden) 
  • parar o roubo de propriedade intelectual dos EUA pela China 
  • reduzir o fluxo de capital americano para a China 

Se fizermos essas três coisas, a economia chinesa afundar-se-á como uma pedra, e com ela o impulso do Partido Comunista Chinês para o domínio mundial. 

Claro que estas políticas podem ter de esperar por um Congresso novo, senão por uma nova administração. Basta dizer que a administração actual está bastante comprometida no que diz respeito à China. 

Em Maio de 2021, o velho Joe observou que a China “acredita que nos possuirá dentro de 15 anos.” 

Esta talvez não seja uma suposição irracional por parte da China, uma vez que a família Biden parece especializar-se em vender-lhes a América. Para não mencionar que Hunter, o filho do Presidente, ainda está em negócios com o Partido Comunista Chinês.

Featured Image

Steven Mosher is an internationally recognised authority on China and population issues as well as an acclaimed author and speaker and founder and head of the Population Research Institute. He was the first American social scientist to visit mainland China in 1979 where he witnessed women being forced to have abortion under the new “one-child-policy” which he then exposed to the world. Mr. Mosher was a pro-choice atheist at the time, but witnessing these traumatic abortions led him to reconsider his convictions and to eventually become a practicing, pro-life Roman Catholic.

Mosher has appeared numerous times before the US Congress as an expert in world population, China and human Rights abuses. He has also made TV appearances on Good Morning America, 60 Minutes, The Today Show, 20/20, FOX and CNN news, as well as being a regular guest on talk radio shows across the nation.

He is the author of the best-selling A Mother’s Ordeal: One woman’s Fight Against China’s One-Child-Policy. His latest book is Bully of Asia, exposing the threat of China to the entire world at this time.

Articles by Steve have appeared in The Wall Street Journal, Reader’s Digest, The New Republic, The Washington Post, National Review, Reason, The Asian Wall Street Journal, Freedom Review, Linacre Quarterly, Catholic World Report, Human Life Review, First Things, and numerous other publications.

Steven Mosher lives in Virginia with his wife, Vera, and their nine children.

Comments

Commenting Guidelines
LifeSiteNews welcomes thoughtful, respectful comments that add useful information or insights. Demeaning, hostile or propagandistic comments, and streams not related to the storyline, will be removed.

LSN commenting is not for frequent personal blogging, on-going debates or theological or other disputes between commenters.

Multiple comments from one person under a story are discouraged (suggested maximum of three). Capitalized sentences or comments will be removed (Internet shouting).

LifeSiteNews gives priority to pro-life, pro-family commenters and reserves the right to edit or remove comments.

Comments under LifeSiteNews stories do not necessarily represent the views of LifeSiteNews.

0 Comments

    Loading...