Blogs
Featured Image
 Shutterstock

(LifeSiteNews) – No mês passado, escrevi um ensaio esperançoso para The European Conservative (O Conservador Europeu) sobre a contra-reacção ao movimento transgénero na Europa. Da Escandinávia ao Reino Unido, autoridades médicas, tribunais e governos estão a começar a acordar para a realidade de que o início rápido da disforia de género como contágio entre pares acerca da gente jovem está a provocar um número maciço de menores que se tornarão pacientes médicos ao longo da vida, inscrevendo-se em bloqueadores da puberdade e em cirurgias de mudança de sexo nas suas malfadadas tentativas de mudar de género e de descobrir o seu “verdadeiro eu.” 

Observei na altura que o movimento trans está a enfrentar uma oposição mais dura também em França. Em Setembro, relatei uma petição francesa assinada por mais de 50 clínicos franceses, profissionais médicos, académicos proeminentes, especialistas em direito e educação, filósofos, sociólogos, psiquiatras, juízes e psicanalistas que repudiavam a ideologia transgénero e a prática de cirurgias de mudança de sexo e de bloqueadores hormonais para crianças. Foi uma poderosa reprimenda aos dogmas dos tempos contemporâneos e pareceu assinalar uma mudança esperançosa – ou pelo menos, talvez, que o movimento ‘trans’ tinha atingido a marca da maré alta. 

Apesar do facto de, em França, as pessoas que se identificam como transgénero poderem ter a sua identidade de género escolhida reconhecida pelo governo francês, o supremo tribunal francês tinha decidido que um homem biológico “identificandose” como mulher transexual não podia ser reconhecido como a mãe de uma criança concebida com a sua mulher. Isto parece ser senso comum, mas na era actual de insanidade, qualquer aparência de sanidade é resistência bem-vinda contra a inexorável campanha transgénero.  

Esta semana, no entanto, trouxe notícias decepcionantes. Um tribunal de recurso em Toulouse decidiu agora que o homem que afirma ser mulher tem o direito legal de ser identificado como mãe do seu filho. Para compreender quão ridículo e desconcertante é tudo isto, considere a forma como o Yahoo relatou a história: 

No que é um primeiro para o sistema judicial francês, um tribunal de recurso reconheceu o direito de um transgénero homem-para-mulher – que concebeu uma criança com o seu sistema reprodutivo masculino – a ser nomeada como mãe na certidão de nascimento da criança. Este casal do departamento de Hérault – pessoas que eram inicialmente heterossexuais – deu à luz várias crianças, a última concebida depois de o pai ter mudado de sexo, embora mantivesse o seu sistema reprodutor masculino. A menina nasceu após a mudança de estado civil do marido, que se tinha tornado uma mulher. 

Este homem – dizem os meios de comunicação social – concebeu uma criança tendo o seu sistema reprodutor masculino.” Essa frase estranha é um resumo sucinto da psicose em que se está a afundar a nossa cultura. E, claro, é a pobre menina – que terá a sua certidão de nascimento alterada retroactivamente – que será criada em toda esta confusão. O sensato registo civil que, se recusou a fazer as alterações originais, segundo o Yahoo, recusou reconhecer “o estado materno solicitado pela mulher incapaz de gerar. Apenas a mãe capaz de gerar apareceu no estado civil da criança.” 

E tente, leitor, interpretar esta frase: “Uma vez que o parceiro transgénero não foi reconhecido como pai, foi o parceiro que teve de adoptar a sua filha biológica, como mãe adoptiva.” Agora, com o sucesso do seu processo judicial, outro tribunal activista chega a decidir que a realidade biológica é irrelevante para a identidade. E é mais outra premissa transgénero que fica consagrada na lei, tal como o Yahoo disse: “Desde 2016, a lei francesa tem autorizado a reatribuição do género sem reatribuição do sexo – o que permitiu a coexistência de realidades legais e biológicas distintas.” Excepto, é claro, que isto é uma impossibilidade. 

Inicialmente, eu estava encorajado pelo facto de a França parecer estar a resistir em algumas áreas, o que indicava que poderia vir a haver mais oposição. Há vários políticos populistas proeminentes que expressaram oposição a esta agenda, e os franceses têm uma história de recuos contra a agenda LGBT – houve milhões de pessoas que marcharam em Paris para se oporem ao “casamento” entre pessoas do mesmo sexo. Mas numa das questões cruciais do nosso tempo, os tribunais estão a intervir do lado dos revolucionários. 

A conclusão inescapável, ao lermos histórias como esta, é que a nossa cultura não merece sobreviver.

Featured Image

Jonathon Van Maren is a public speaker, writer, and pro-life activist. His commentary has been translated into more than eight languages and published widely online as well as print newspapers such as the Jewish Independent, the National Post, the Hamilton Spectator and others. He has received an award for combating anti-Semitism in print from the Jewish organization B’nai Brith. His commentary has been featured on CTV Primetime, Global News, EWTN, and the CBC as well as dozens of radio stations and news outlets in Canada and the United States.

He speaks on a wide variety of cultural topics across North America at universities, high schools, churches, and other functions. Some of these topics include abortion, pornography, the Sexual Revolution, and euthanasia. Jonathon holds a Bachelor of Arts Degree in history from Simon Fraser University, and is the communications director for the Canadian Centre for Bio-Ethical Reform.

Jonathon’s first book, The Culture War, was released in 2016.

0 Comments

    Loading...