News
Featured Image

Sexta Feira, 7 de Janeiro de 2022

(LifeSiteNews) – Numa entrevista publicada a 6 de Janeiro, o Bispo Athanasius Schneider denunciou a aceitação de “vacinas” contaminadas pelo aborto como uma maneira de “normalizar o horror do genocídio do aborto.

Esta normalização do assassinato do aborto pela Igreja e pelo mundo, o Schneider disse ao Michael Matt, editor do The Remnant, vem através do “pecado grave de omissão” de não “protestar inequivocamente contra a indústria fetal e seus produtos.”

Schneider assinalou que “os eclesiásticos e os bons católicos estão a esquecer ou simplesmente a ignorar” que as vacinas da COVID-19 disponíveis são um produto da indústria fetal, que ele descreve como sendo “canibalismo”, ou seja, “para usar, explorar e comercializar os tecidos dos corpos das crianças inocentes que são assassinadas.”

Sem minimizar a seriedade do facto de que as vacinas da COVID actualmente disponíveis são, em última análise, um “produto” do aborto, através de testes e do desenvolvimento de linhas celulares a partir de bebés abortados, Schneider observou que essa conexão “pode ser” remota, mas “Não estamos longe da indústria fetal, que cresce a cada dia que passa.”

“E assim,” frisou Schneider, “quando aceitamos” as chamadas vacinas, “Estamos a apoiá-las.”

“E esse horror é tão monstruoso que não pode ser comparado a outros males que de alguma forma aceitemos nesta sociedade naturalista, materialista, como os produtos do trabalho de escravidão. É incomparável com o horror de matar crianças inocentes”, disse Schneider.

Acrescentou ele que, além de um ponto de vista estritamente moral, o facto de essas vacinas da COVID-19 serem ainda “experimentais” e de os seus fabricantes não serem responsabilizados “pelos possíveis efeitos negativos, todos os seres humanos de bom senso devem” “refletir … que há algo errado, ou pelo menos, sejamos todos nós cautelosos.”

Quando Matt sugeriu que há mais do que um incentivo financeiro por trás das medidas radicais atuais da COVID, Schneider concordou.

Embora possa haver uma “questão de dinheiro” envolvida, Schneider acredita que esse motivo é “secundário.”

Salientou também que os métodos usados para impelir a vacinação “já são” aqueles “de uma ditadura real”, porque em alguns países o acesso a certos lugares, tais como restaurantes e teatros, é limitado aos vacinados. Estão a ser criados “cidadãos de segunda classe”, apenas por causa de haver algumas pessoas que se opõem às “vacinas” por razões morais ou médicas.

Schneider comparou essas políticas ao “apartheid na África do Sul”, assim como à política da Alemanha nazi, segundo a qual, como se escrevia em alguns lugares, “está proibida a entrada aos judeus.’”

“Agora estamos numa nova ditadura onde [se] escreve: ‘Está proibida a entrada a quem não for vacinado.’”

Schneider acredita que a nova “ditadura da discriminação”, semelhante a esses casos históricos, demostra que o impulso para a vacinação “não é uma questão principalmente de dinheiro.”

Schneider observou que alguns dizem que “é provável que um dos principais objectivos por trás desta campanha global da vacina é reduzir a população mundial. Uma espécie de controle da população.” Schneider “não exclui” essa possibilidade, por causa dos objectivos e métodos semelhantes usados em ditaduras da “história recente.”

“Há dois pilares, digamos, que caracterizam essas ditaduras. O primeiro é mentir. E isso é diabólico. Porque  Nosso Senhor disse que o Demónio é o pai da mentira”, disse Schneider.

“E o segundo pilar é o assassinato. E novamente, isso é diabólico, porque Nosso Senhor disse que o demónio é um assassino desde o início,”Schneider continuou, apontando que “o diabo odeia os seres humanos.” e citando o terror da Revolução Francesa como “a primeira grande ditadura anti-humana”, “depois, o terror comunista Soviético, em seguida, o terror Nazi.”

“Agora temos outro terror muito sofisticado”, ele acrescentou: o de “discriminar” as pessoas e tentar forçá-las a “vacinarem-se”.

“E, neste caso, é o Estado que está a apropriar-se do nosso corpo. Assim, estamos a perder não só a nossa propriedade, também estamos a perder agora o direito [sobre o nosso] próprio corpo, que é um templo do Espírito Santo”, disse Schneider, que chamou os métodos utilizados uma “ditadura mundial neo-comunista.”

Schneider espera por uma “aliança mundial de pessoas” que “resistam a esta nova ditadura” imposta sob o “pretexto dos cuidados de saúde.”

“Devemos resistir-lhes com todos os meios que temos.”

Comments

Commenting Guidelines
LifeSiteNews welcomes thoughtful, respectful comments that add useful information or insights. Demeaning, hostile or propagandistic comments, and streams not related to the storyline, will be removed.

LSN commenting is not for frequent personal blogging, on-going debates or theological or other disputes between commenters.

Multiple comments from one person under a story are discouraged (suggested maximum of three). Capitalized sentences or comments will be removed (Internet shouting).

LifeSiteNews gives priority to pro-life, pro-family commenters and reserves the right to edit or remove comments.

Comments under LifeSiteNews stories do not necessarily represent the views of LifeSiteNews.

1 Comments

    Loading...