News
Featured Image
Pope Francis speaking to journalists on his return flight from CanadaVatican News screenshot

You’re invited! Join LifeSite in celebrating 25 years of pro-life and pro-family reporting at our anniversary Gala August 17th in Naples, Florida. Tickets and sponsorships can be purchased by clicking here.

CIDADE DO VATICANO (LifeSiteNews) – Durante o seu voo de regresso do Canadá no sábado, o Papa Francisco respondeu a uma pergunta relativa à proibição da Igreja Católica em relação aos contraceptivos, dizendo que o dogma e a moralidade estão “sempre num caminho de desenvolvimento.”

Falando a jornalistas seleccionados, Francisco respondeu a perguntas relativas à sua saúde, possível reforma, ao Caminho Sinodal da Alemanha e à política internacional.

Enquanto muitas manchetes abordavam os seus comentários sobre uma possível reforma, as suas observações sobre os contraceptivos passaram relativamente despercebidas. “Muitos católicos, mas também muitos teólogos, pensam que é necessário um desenvolvimento na doutrina da Igreja relativamente aos contraceptivos,” disse a Sra. Claire Giangrave do Religion News Service.

Está aberto, em resumo, a uma reavaliação a este respeito?” perguntou ela, “ou existe a possibilidade de um casal considerar o uso de contracepção?”

O Papa Francisco chamou à pergunta “muito oportuna,” acrescentando que “o dogma, a moralidade, estão sempre num caminho de desenvolvimento, mas desenvolvem-se sempre na mesma direcção.”

Numa longa resposta, Francisco aludiu ao teólogo São Vicente de Lérins, do século V, cujo famoso Cânone é cada vez mais utilizado como base para os argumentos modernos que propõem o “desenvolvimento” em doutrina.

Para o desenvolvimento teológico de uma questão moral ou dogmática,” Francisco disse que São Vicente “diz que a verdadeira doutrina, para avançar, para se desenvolver, não deve ser silenciosa, ela desenvolve-se ut annis consolidetur, dilatetur tempore, sublimetur aetate.

Esta “verdadeira doutrina… expande-se, consolida-se, e torna-se sempre mais sólida, mas sempre está progredindo,” disse ele. O “dever dos teólogos é a investigação, a reflexão teológica,” disse ele.

Não se pode aplicar a teologia com um ‘não’ diante dela. Depois, cabe ao Magistério dizer não, foste longe demais, volta atrás, mas o desenvolvimento teológico deve ser aberto, por isso existem os teólogos. E o Magistério deve ajudar a compreender os limites.

Francisco também recorreu ao novo livro da Pontifícia Academia para a Vida (PAV) que propõe tanto a contracepção como a inseminação artificial como moralmente aceitáveis. Recentemente publicado pela próprio editora do Vaticano, Libreria Editrice Vaticana, o livro é uma colecção de ensaios retirados de um seminário interdisciplinar de três dias patrocinado pela PAV em 2021.

Disse o Pontífice:

A respeito da contracepção, sei que foi feita uma publicação sobre este tema e sobre outras questões matrimoniais: são as actas de um congresso e, num congresso, há hipóteses; depois, é que as discutem entre si e se fazem propostas.

Francisco defendeu o trabalho, e o simpósio que motivou o livro, dizendo que os teólogos envolvidos “cumpriram o seu dever,” procurando “dar um passo à frente na doutrina… em sentido eclesial”:

Temos de ser claro: os que participaram neste congresso cumpriram o seu dever, porque tentaram dar um passo à frente na doutrina, mas em sentido eclesial, não fora dele, como eu disse sobre a regra de São Vicente de Lérins.

As respostas às questões levantadas pelo PAV vão agora ser determinadas pelo “Magistério,” que “dirá: Sim, é bom, ou não, não é bom.” ãoacrescentou ele. “Muitas coisas se enquadram nisto.”

Alimentando especulação sobre a nova encíclica

À luz do novo livro do PAV, surgiram especulações sobre uma possível nova encíclica do Papa em contradição com a proibição da Igreja sobre a contracepção. Um teólogo conselheiro da Congregação (agora Dicastério) para a Doutrina da Fé (CDF), publicou recentemente um artigo no jornal La Civilta Cattolica – que é supervisionado pelo Vaticano – perguntando se Francisco escreveria “uma nova encíclica ou exortação apostólica sobre a bioética,” de acordo com o livro da PAV.

A PAV acolheu os comentários em voo de Francisco, utilizando-os como mais uma oportunidade para promover o livro no centro da controvérsia actual.

Ao fazer a sua pergunta ao Papa, a Sra. Giangrave recorreu à alegada oposição do Papa João Paulo I à proibição pela Igreja da contracepção como base para autorizar o “desenvolvimento” da doutrina para permitir a prática.

A Sra. Giangrave não é a única jornalista a prestar atenção particular ao ponto de vista de João Paulo I sobre o tema. Nas preparações actuais que conduzirão à sua beatificação em Setembro, o canal de notícias do próprio Vaticano, Vatican News, está actualmente a concentrar-se fortemente no curto reinado de João Paulo I num novo podcast, liderado por Andrea Tornielli – diretor editorial do Dicastério para as Comunicações. Tanto Tornielli como Stefania Falasca, vice-postuladora da causa de santidade do pontífice, escreveram recentemente no jornal do Vaticano e no jornal da Conferência Episcopal Italiana sobre a posição de João Paulo I em matéria de contracepção.

A Tradição: uma ‘fé morta’ que precisa de ser actualizada

Na defesa da sua posição sobre o “desenvolvimento” da moral, Francisco continuou por atacando os que estão ligados à “tradição.”

Acho que isto é muito claro: uma Igreja que não desenvolve o seu pensamento num sentido eclesial é uma Igreja que retrocede,” disse ele, descrevendo-o como “o problema de de muitos que hoje se chamam a si próprios tradicionais.”

Tais “pessoas que olham para o passado, indo para trás, sem raízes” estão a pecar, disse ele, pois “olhar para trás é um pecado porque não progride com a Igreja.”

A empregar uma fraseologia agora familiar, Francisco apelidou os adeptos da tradição de se agarrarem a uma “fé morta.”

A tradição é a fé viva daqueles que morreram. Em vez disso, para as pessoas que olham para trás, que a si próprios se chamam tradicionalistas, é a fé morta dos vivos. A tradição é verdadeiramente a raiz, a inspiração pela qual se pode avançar na Igreja, e isto é sempre vertical.

Consequentemente, defendeu o “desenvolvimento” proposto da moral, afirmando que “pensar e levar para a frente a fé e a moral enquanto estejam a ir na direcção das raízes, da seiva [da árvore], não faz mal, segundo estas três regras de S.Vincente de Lérins que mencionei.”

O ensino católico sobre contracepção

Escrevendo em 1930, o Papa Pio XI na encíclica Casti Connubii declarou que “qualquer uso honesto da faculdade dada por Deus para a geração de uma nova vida, segundo a ordem do Criador e da própria lei natural, é exclusivo direito da prerrogativa do matrimónio e deve manter-se absolutamente dentro dos limites sagrados do casamento.”

Também condenou o controle da natalidade, ordenando que “qualquer uso do matrimónio em que, pela malícia humana, o acto seja destituído da sua natural força procriadora infringe a lei de Deus e da natureza, e aqueles que ousarem cometer tais acções se tornam réus de culpa grave.”

Secure a home for canceled priests: LifeFunder

Comments

Commenting Guidelines
LifeSiteNews welcomes thoughtful, respectful comments that add useful information or insights. Demeaning, hostile or propagandistic comments, and streams not related to the storyline, will be removed.

LSN commenting is not for frequent personal blogging, on-going debates or theological or other disputes between commenters.

Multiple comments from one person under a story are discouraged (suggested maximum of three). Capitalized sentences or comments will be removed (Internet shouting).

LifeSiteNews gives priority to pro-life, pro-family commenters and reserves the right to edit or remove comments.

Comments under LifeSiteNews stories do not necessarily represent the views of LifeSiteNews.

0 Comments

    Loading...