News
Featured Image
Pope Francis installs a female Lector, January 23, 2022.Vatican News/YouTube screenshot

CIDADE DO VATICANO (LifeSiteNews) – Pela primeira vez, o Papa Francisco nomeou oficialmente as mulheres para os ministérios litúrgicos de catequista e leitor durante uma cerimónia no Vaticano, no que foi descrita como uma continuação do “trabalho criativo” do Vaticano II, e um “ataque herético” ao Sacerdócio.

Seis mulheres e dois homens foram instalados no ministério de leitor e acólito no 23 de Janeiro, enquanto três mulheres e cinco homens foram instalados como catequistas.

Os ministérios de leitor e acólito foram tradicionalmente reservados aos homens e foram degraus no caminho para o Sacerdócio antes das convulsões litúrgicas do Concílio Vaticano II.

Mas segundo o “Spiritus Domini“,motu proprio do Janeiro de 2021 do Papa Francisco, o Direito Canónico foi alterado para permitir a instituição litúrgica de leitoras e acólitas femininas, ambas dos quais ordens sacerdotais menores. Seguiu-se a carta apostólica do 10 de Maio, “Antiquum ministerium“,que baseou-se ainda mais nos textos do Concílio Vaticano II para estabelecer o ministério leigo de catequista, tanto para homens como para mulheres.

No domingo – a Festa da Palavra de Deus, como Francisco começou a chama-lhe em 2019 – as mulheres instaladas nos ministérios de leitoras e catequistas foram informadas pelo Papa Francisco que eram “chamadas à obra importante de servir o Evangelho de Jesus, proclamando-O, para que a Sua consolação, alegria e libertação possam chegar a todos”.

O Papa Francisco deu uma Bíblia aos leitores e um crucifixo aos catequistas, pronunciando as palavras: “Que o vosso ministério esteja sempre enraizado numa vida de oração profunda, construída sobre uma sã doutrina e animada por um verdadeiro entusiasmo apostólico”.

O pontífice também usou a sua homilia para alertar os novos leitores e catequistas sobre o seu tema regular de “rigidez”, a que chamou “perversão” e “pelagianismo moderno”.

“Sempre que pensamos que encontrar Deus significa tornar-se mais rígido, com mais regras, coisas certas, coisas claras … não é o caminho”, disse ele. “Quando vemos propostas de rigidez, pensemos imediatamente: isto é um ídolo, não é Deus. O nosso Deus não é assim”.

Homens e mulheres da Coreia do Sul, Paquistão, Gana e Itália foram instalados como leitores, enquanto leigos do Peru, Brasil, Gana, Polónia, Espanha e Itália foram instalados como catequistas.

O ministério feminino é defendido como parte do ‘trabalho criativo’ do Vaticano II

Enquanto as mulheres tenham assumido regularmente papéis públicos e litúrgicos no Novus Ordo, tais acções não foram anteriormente apoiadas por qualquer instalação oficial. A natureza revolucionária das cerimónias de Domingo foi notada pelo Jesuíta P. John Baldovin, professor de teologia histórica e litúrgica na Faculdade de Teologia e Ministério do Boston College), que destacou o significado da instalação de mulheres em tais ministérios.

“Torná-las oficiais diz algo muito importante sobre a natureza do ministério na Igreja Católica de hoje” – disse ele.

Entretanto, a liturgista Rita Ferrone disse à dissidente National Catholic Reporter que o ministério das mulheres fazia parte da “obra criativa” desejada pelo Vaticano II.

O Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização também defendeu a iniciativa do Papa Francisco, dizendo que ele estava a construir sobre uma “prática bem estabelecida na Igreja”, que tinha “confirmado que os ministérios leigos, fundados no Sacramento do Baptismo, podem ser confiados a todos os fiéis idóneos, sejam eles do sexo masculino ou feminino, segundo o que já está implicitamente indicado pelo Cânone 230 do Código de Direito Canónico, que o Papa modificou para a ocasião”.

Um “ataque herético” ao Sacerdócio

Mas o diácono Nick Donnelly disse à LifeSiteNews que tal desenvolvimento do Papa Francisco foi um “ataque herético” ao Sacerdócio.

“O comissionamento de mulheres pelo Papa Francisco como leitoras pode parecer pouco conceituada, uma vez que há décadas que as mulheres têm proclamado as Sagradas Escrituras na Missa. No entanto, instituir formalmente as mulheres no ministério de leitor no contexto da Missa é um assunto completamente diferente”, notou Donnelly.

Observou ele que “desde os primeiros dias da Igreja, o ministério de leitor e o de acólito, são intimamente associados ao serviço da liturgia divina, e ao serviço dos ministros sagrados da liturgia – diáconos, sacerdotes e Bispos. Desde os dias dos Apóstolos esse ministério é reservado aos homens, reflectindo a escolha explícita de Cristo dos homens para serem sacerdotes. A estreita associação do leitor com o diaconado e presbítero reflecte-se no facto de receber estes ministérios” a sua recepção continuar a ser, para os candidatos às Ordens Sagradas, um requisito necessário

“À luz disto” – acrescentou Donnelly, “a preocupação é que a instituição de mulheres pelo Papa Francisco no ministério dos leitores é o primeiro passo para abolir a conservação das Ordens Sacras aos homens. Em última análise, é um ataque herético à instituição do ministério apostólico de Nosso Senhor”.

Escrevendo pouco depois do lançamento de Spiritus Domini em 2021, o liturgista e teólogo Dr. Peter Kwasniewski advertiu que a alteração pelo Papa do Direito Canónico para empurrar as mulheres através dos ministérios litúrgicos “encaixa convenientemente neste esquema geral de ruptura com a tradição católica”.

Denominando-a uma “mudança tectónica tanto na teologia como na práxis”, Kwasniewski observou que a mudança é “inteligível apenas vista contra o pano de fundo do feminismo omnipresente, que equipara o valor das mulheres à assunção de papéis tradicionalmente reservados aos homens”, e como tal seria usada para argumentar mais em prol das mulheres diáconos e sacerdotes.

Kwasniewski escreveu recentemente um livro a explicar e defender o ensino católico tradicional sobre a reserva dos ministérios litúrgicos só aos homens.

 

O Papa Francisco abre às mulheres os papéis litúrgicos anteriormente reservados aos homens

 

Comments

Commenting Guidelines
LifeSiteNews welcomes thoughtful, respectful comments that add useful information or insights. Demeaning, hostile or propagandistic comments, and streams not related to the storyline, will be removed.

LSN commenting is not for frequent personal blogging, on-going debates or theological or other disputes between commenters.

Multiple comments from one person under a story are discouraged (suggested maximum of three). Capitalized sentences or comments will be removed (Internet shouting).

LifeSiteNews gives priority to pro-life, pro-family commenters and reserves the right to edit or remove comments.

Comments under LifeSiteNews stories do not necessarily represent the views of LifeSiteNews.

0 Comments

    Loading...