News
Featured Image
D. Daniel Fernández Torres Diocese de AreciboDiocese of Arecibo

ARECIBO, Porto Rico (LifeSiteNews) – LifeSiteNews lançou uma petição instando o Papa Francisco a reintegrar o Bispo porto-riquenho D. Daniel Fernández Torres que foi abruptamente afastado da sua diocese esta semana depois de defender as objecções de consciência à vacinação de COVID-19. 

O Vaticano disse quarta-feira que o Papa “dispensou” o Bispo Fernández Torres do cuidado pastoral da Diocese de Arecibo.

— Article continues below Petition —
PETITION to Pope Francis: Reinstate Puerto Rico Bishop, Daniel Fernández Torres
  Show Petition Text
14742 have signed the petition.
Let's get to 15000!
Thank you for signing this petition!
Add your signature:
  Show Petition Text
Keep me updated via email on this petition and related issues.

By all accounts, Bishop Daniel Fernández Torres' diocese of Arecibo in Puerto Rico is flourishing because of his adherence to the perennial teachings of the Church.

But, without any formal proceedings, Bishop Fernández Torres has been summarily 'relieved' of his episcopal duties allegedly because he championed conscience rights in the face of a Church vaccine mandate in Puerto Rico.

Please SIGN this urgent petition to Pope Francis urging him to reinstate Bishop Fernández Torres now.

To be clear, COVID-19 is a serious disease, oftentimes with debilitating consequences, or worse, for those who contract it.

However, all coronavirus vaccines currently authorized for use in the U.S. and Puerto Rico have been tested on or produced with cell lines of aborted babies. And, the vaccines have been linked to serious side effects, while none has yet completed long-term testing.

Given the complexity of this issue, the Church has determined that getting vaccinated is a matter of personal discernment which each individual must make after informing his or her conscience.

As such, the Church teaches that there is no moral obligation to be vaccinated. Indeed, the Congregation for the Doctrine of the Faith (CDF), the Church's teaching authority where faith and moral are concerned, issued a statement to that effect in December, 2020.

Specifically, the CDF's, “Note on the Morality of Using Some Anti-COVID-19 Vaccines,” of December 17, 2020, n. 5 states: “At the same time, practical reason makes evident that vaccination is not, as a rule, a moral obligation and that, therefore, it must be voluntary.”

Therefore, it would appear that for simply restating the current teaching of the CDF and for opposing his brother bishops in Puerto Rico on this seminal matter of conscientious objection, Rome is now attempting to "cancel" Bishop Fernández Torres.

This is wrong, unfair and discriminatory!

And, Bishop Fernández Torres is hardly the first bishop to defend Church teaching on conscientious objection on the issue of mandatory vaccination. Both the Colorado and South Dakota bishops' conferences released similar statements, and like Bishop Fernández Torres, they also offered to validate religious exemptions for member of their flock who asked to be exempted from vaccination.

Please SIGN and SHARE this urgent petition to Pope Francis urging him to reinstate Bishop Fernández Torres.

For his part, Bishop Fernández Torres, 57, a staunch defender of life and family, protested his removal as "totally unjust" in a statement released Wednesday (3/9/2022).

The bishop, who led his diocese for nearly 12 years, noted that Pope Francis’ apostolic delegate to Puerto Rico verbally requested that he resign, but said that he refused to do so, as he "did not want to become an accomplice of a totally unjust action."

"No process has been made against me," Bishop Fernández Torres wrote, "nor have I been formally accused of anything, and simply one day the apostolic delegate verbally communicated to me that Rome was asking me to resign."

“A successor of the apostles is now being replaced without even undertaking what would be a due canonical process to remove a parish priest,” the bishop added.

“I was informed that I had committed no crime but that I supposedly ‘had not been obedient to the pope nor had I been in sufficient communion with my brother bishops of Puerto Rico,’” he said. “It was suggested to me that if I resigned from the diocese I would remain at the service of the Church in case at some time I was needed in some other position; an offer that in fact proves my innocence.”

Please SIGN and SHARE this urgent petition to Pope Francis urging him to reinstate Bishop Fernández Torres. Thank you!

FOR MORE INFORMATION:

'Pope Francis abruptly removes faithful bishop who opposed COVID vaccine mandates' - https://www.lifesitenews.com/news/pope-francis-abruptly-removes-faithful-bishop-who-opposed-covid-vaccine-mandates/

'Puerto Rico bishop supports conscience objections to COVID vaccines, allows priests to sign exemptions' - https://www.lifesitenews.com/news/puerto-rico-bishop-supports-conscience-objections-to-covid-vaccines-allows-priests-to-sign-exemptions/

**Photo Credit: Diocese of Arecibo

  Hide Petition Text

Numa declaração, o bispo fiel anunciou que estava a ser demitido por alegações de desobediência ao Papa e de falta de “comunhão suficiente” com os colegas prelados porto-riquenhos. 

“Nenhum processo foi feito contra mim,” disse ele, “nem fui formalmente acusado de nada, e simplesmente um dia o Delegado Apostólico comunicou-me verbalmente que Roma me estava a pedir a renúncia.” 

“Fui informado de que não tinha cometido nenhum delito, mas que supostamente ‘não tinha sido obediente ao Papa nem tinha estado em comunhão suficiente com os meus irmãos bispos de Porto Rico,’” disse o bispo Fernández Torres, chamando a sua súbita remoção “totalmente injusta.” 

“Foi-me sugerido que, se me demitisse da diocese, permaneceria ao serviço da Igreja no caso de a dada altura, ser necessitado noutra posição; uma oferta que de facto prova a minha inocência,” acrescentou ele. “Manifesto a minha comunhão na fé católica, com o Papa e os meus irmãos no episcopado, apesar da minha perplexidade perante uma incompreensível arbitrariedade.” 

O bispo, nomeado para Arecibo pelo Papa Emérito Bento XVI, dirigiu a sua diocese durante quase 12 anos. 

A demissão de Dom Fernández Torres veio depois de se recusar a assinar uma carta emitida pelos outros seis bispos de Porto Rico em Agosto, anunciando que os fiéis seriam segregados na Santa Missa com base na condição de estar ou não estar injetado contra a COVID. 

A carta impunha também um mandato rigoroso de vacina para os padres e afirmava que “não há base” no ensino católico para rejeitar os requisitos de vacinação. 

O bispo de Arecibo tinha divulgado uma declaração separada na semana anterior, sublinhando que os católicos podem, de facto, recusar as vacinas da COVID em boa consciência e autorizando os padres da sua diocese a assinar pedidos de isenção religiosa. 

Ele observou que “pode haver quem, por razões de consciência, rejeite o uso de certas vacinas, ou porque ainda se encontram numa fase experimental ou porque foram produzidas a partir de linhas celulares de fetos abortados.” 

“O respeito pela consciência da pessoa é também doutrina católica,” escreveu o prelado, citando O Catecismo da Igreja Católica. 

A posição do Bispo Fernández Torres ecoa a de numerosos outros líderes católicos e não contradiz a posição formal da Igreja sobre a vacinação. Mas o Papa Francisco tem pressionado agressivamente as injecções da COVID-19 como uma “obrigação moral” nos últimos meses e mandatou as injecções no Vaticano. 

“Segundo todos os relatos, a diocese de Arecibo, em Porto Rico, do Dom Daniel Fernández Torres está a florescer devido à sua adesão aos ensinamentos perenes da Igreja,” afirma a petição da LifeSite. “Mas, sem qualquer procedimento formal, o Bispo Fernández Torres foi sumariamente ‘dispensado’ dos seus deveres episcopais, alegadamente porque defendeu os direitos de consciência face a um mandato de vacina da Igreja em Porto Rico.” 

Juntamente com a sua posição pelos direitos de consciência, o Bispo Fernández Torres tem sido conhecido por defender publicamente os ensinamentos católicos sobre a vida e a família. 

Numa entrevista com a LifeSite no ano passado, o bispo lutou contra um projecto de lei porto-riquenho que teria criminalizado “qualquer esforço ou tratamento” para reduzir ou eliminar a atracção pelo mesmo sexo ou a confusão de género nas crianças. Muitos jovens começam a identificarse como homossexuais ou transgéneros após o abuso sexual, salientou ele. 

O bispo também resistiu a enviar seminaristas para o Seminário Inter-diocesano de Porto Rico, apoiado pelo Vaticano, e recusou-se a proibir a celebração da Missa Tradicional Latina em Arecibo, enquanto outros bispos porto-riquenhos restringiram a antiga Missa. 

O Arcebispo emérito Dom Héctor Aguer de La Plata, Argentina, veio em defesa do Bispo Fernández Torres numa declaração de quarta-feira, recordando uma visita que ele fez à Diocese de Arecibo durante o mandato do bispo deposto. 

“Há dois anos, fui convidado por Dom Daniel a pregar os Exercícios Espirituais ao clero da diocese. Pude então ver como uma Igreja local floresce quando o seu bispo é um homem de Deus, fiel à grande Tradição eclesial,” disse ele. “Mas isso não interessa a Roma.” Como nunca, a centralidade romana é imposta em nome da ‘unidade.’” 

“A Igreja actual já não se ocupa com Deus, ou com o mandato de Cristo de evangelizar, senão apenas com a imposição de ‘novos paradigmas’ e a adesão aos princípios de uma Nova Ordem Mundial, alheia à lei natural e à revelação cristã,” acrescentou ele. “O caso de Monsenhor Fernández Torres é um exemplo muito claro de como a Igreja trabalha ao contrário do que deveria ser a sua missão.”

0 Comments

    Loading...