News
Featured Image

(LifeSiteNews) – Um virologista amplamente reconhecido e criador de vacinas, criticou a vacinação de crianças contra a COVID como sendo “um pecado imperdoável”, e dizendo que poderia resultar num aumento drástico nas doenças infantis e em novas ameaças à saúde pública.

O Dr. Geert Vanden Bossche, um ex-oficial superior da Fundação Bill e Melinda Gates que trabalhou com empresas farmacêuticas como a GlaxoSmithKline e a Novartis, disse que as injecções da COVID estão a suprimir os anticorpos naturais de que as crianças necessitam para combater uma grande variedade de doenças.

“Devido à supressão sustentada pelos anticorpos vacinais, as crianças podem já não estar naturalmente protegidas contra uma série de infecções infantis que normalmente não resultam em doenças”, disse ele numa entrevista com Doctors for Life (Médicos para a Vida) nas Filipinas.

“Estes anticorpos inatos que reconhecem a SARS-CoV-2, são também o tipo de anticorpos inatos que reconhecerão, por exemplo, a influenza, que reconhecerão uma série de outros vírus corona”, explicou o vacinologista, observando que os vírus como a influenza e os vírus corona normalmente não causam doenças em crianças.

“Mas agora, de repente, este tipo de anticorpos inatos é suprimido pelos anticorpos vacinais. Com certeza, vai ver uma série de infecções infantis que agora são transformadas em doenças infantis devido a esta supressão”, avisou o Dr. Vanden Bossche.

As vacinas também podem levar a condições autoimunes por suprimir a “função protectora” dos anticorpos inatos, acrescentou ele.

“Estes anticorpos inatos também têm um papel na prevenção da autoimunidade –  num sentido em que impedem que os auto-componentes sejam reconhecidos pelo sistema imunitário”, disse o Dr. Vanden Bossche. “Mas, claro, se suprimirmos estes anticorpos inatos, esta função protectora já não existe”.

“Portanto, estou certo – e até certo ponto já foi documentado – que isto é altamente provável a aumentar a incidência de doenças inteiramente novas também em crianças e particularmente em crianças mais velhas, eu diria a partir dos 8 anos de idade, entre os 8 e os 14”.

Nas crianças mais novas, “haverá um aumento da incidência de várias doenças infantis que normalmente não são doenças infantis”, se a vacinação em massa continuar, disse o Vanden Bossche.

“Assim, a vacinação de crianças contra a SARS-CoV-2 priva-as da sua capacidade de esterilizar este vírus, assim como uma série de outros vírus que normalmente não causam danos às crianças”.

A COVID-19 pode causar doenças não letais em algumas crianças não vacinadas; mas combater o vírus proporcionar-lhes-á “imunidade inata protectora, continuada e a imunidade adquirida”, oferecendo significativamente mais protecção do que os anticorpos provenientes da vacinação.

“E isto não só é muito essencial para a sua saúde individual, como também são os pilares da imunidade de rebanho”, segundo Vanden Bossche. “Este tipo de imunidade, a imunidade inata e a imunidade adquirida, quando resulta de uma doença natural, [é] muito melhor do que anticorpos funcionais”.

“Estes são os tipos de imunidade que eliminarão o vírus, que reduzirão a transmissão e que acabarão por contribuir para a imunidade no grupo, e nós estamos simplesmente a destruí-la, vacinando o nosso povo”.

As crianças e os adolescentes não enfrentam praticamente nenhum risco de morte ou doença grave com a COVID-19. Apenas de 0 a 0,02% dos casos de COVID nos Estados Unidos em pessoas com menos de 18 anos resultaram em morte, segundo a Associação Americana de Pediatria. A COVID-19 é um vírus tratável para quase todas as pessoas que o contraem e tem uma taxa de sobrevivência estimada não inferior a 99,7% para os menores de 60 anos.

Alem disso, as injecções contra a COVID têm sido associadas a efeitos secundários graves em crianças, incluindo inflamação cardíaca e outros problemas cardíacos potencialmente ameaçadores da vida. Um recente estudo britânico descobriu que a miocardite, uma forma de inflamação cardíaca, é mais comum em jovens do sexo masculino após a vacinação do que após o próprio vírus, e que a miocardite pós-vacinação pode ser mais mortífera do que outros tipos da doença.

O Dr. Vanden Bossche já anteriormente alertara para um “colapso do nosso sistema de saúde” devido às reacções adversas às vacinas COVID.

Numerosas mortes em crianças foram também relatadas pouco depois das injecções. No mês passado na Argentina, uma menina de três anos morreu de ataque cardíaco no dia a seguir a ter recebido uma vacina COVID necessária para entrar no jardim da infância.

Um rapaz de 15 anos na Califórnia, sem condições de saúde subjacentes, também morreu de cardiomiopatia por stresse no ano passado, dois dias após a sua segunda injecção da Pfizer, reflectindo um incidente semelhante ocorrido no Michigan. E no Texas, em Abril, um rapaz de 16 anos de idade morreu cinco dias após a sua primeira dose da injecção de Pfizer, sofrendo de um coração que aumentara para o dobro do seu tamanho normal, disse o pai.

O VAERS, um sistema de rastreio de lesões por vacinas, gerido conjuntamente pelos Centros de Controlo de Doenças e pela Administração de Alimentos e Drogas (dos EUA) relatou dezenas de casos de crianças que morreram nos dias após a vacinação.

Comments

Commenting Guidelines
LifeSiteNews welcomes thoughtful, respectful comments that add useful information or insights. Demeaning, hostile or propagandistic comments, and streams not related to the storyline, will be removed.

LSN commenting is not for frequent personal blogging, on-going debates or theological or other disputes between commenters.

Multiple comments from one person under a story are discouraged (suggested maximum of three). Capitalized sentences or comments will be removed (Internet shouting).

LifeSiteNews gives priority to pro-life, pro-family commenters and reserves the right to edit or remove comments.

Comments under LifeSiteNews stories do not necessarily represent the views of LifeSiteNews.

0 Comments

    Loading...