Opinion
Featured Image
Olavo de CarvalhoMauro Ventura/Olavo de Carvalho Flickr

RICHMOND, Virginia (LifeSiteNews) — Aos 74 anos de idade, faleceu no dia 24 de janeiro de 2022 Olavo de Carvalho, filósofo, escritor e educador brasileiro que se consagrou à vida intelectual e à formação de uma nova geração de conservadores.

Escritor profícuo, publicou mais de uma dezena de livros e centenas de artigos sobre temas diversos. Filósofo legítimo, investigou e decifrou a alma do homem moderno com acuidade ímpar. Educador autêntico, formou uma horda de estudantes formais e informais em cursos, solilóquios e colóquios.

Desde a década de 1980, Olavo de Carvalho foi um dos únicos intelectuais latino-americanos que percebeu, estudou e combateu o domínio da esquerda nas universidades, na mídia e na literatura. Foi ele quem fez conhecidos e lidos no Brasil e outros países autores como Mário Ferreira dos Santos, Roger Scruton e Padre A-D. Sertillanges.

Seu trabalho filosófico de primeira categoria desenvolveu resultados como a teoria das 12 camadas da personalidade e análises profundas de autores como Aristóteles e Maquiavel. Seus textos e aulas, muitas delas gravadas e disponíveis na internet, incutiram em pessoas das mais diversas origens e condições sociais a importância do estudo e da responsabilidade do indivíduo sobre suas ações como um dever moral.

Comunicava-se com facilidade. Escrevia e falava com clareza desconcertante. Com a liberdade e humor peculiares a um homem de sua grandeza e inteligência, Olavo de Carvalho publicava corriqueiramente pequenas frases, textos e vídeos nas redes sociais, muitos deles salpicados de palavrões e furor, quase sempre em função de ser um solitário em meio à ignorância geral, como dizia o próprio.

Em sua mesquinhez, a grande mídia o julgou com base em seus tweets e frases isoladas. Caluniavam-no com ferocidade escandalosa. Sua morte, como tantas outras vezes comprovou em vida, evidenciou a rede homogênea de trabalho que forma a mídia internacional, que repete mentiras e anseios de pequenos grupos até que sejam acolhidas como verdades incontestes pelas massas. Uma simples busca por “Olavo de Carvalho death” no Google retorna notícias de sua morte que amiúde o identificam como “guru” do Presidente Jair Bolsonaro, caracterização inventada pela mídia nacional.

Nada tinha a ver com o governo, a não ser o apoio que externou e a influência que exerceu sobre o Presidente e sobre membros de seu governo, como fez sobre tantos outros que beberam da fonte de seus pensamentos. Como destacava com frequência, não é na arena política que se dá o combate ao comunismo, mas na arena cultural e religiosa. Uma cultura moral é necessária, uma cultura que conserve o que é bom, ético e digno, algo quase inexistente na América Latina e minguante onde quer que ela exista no mundo, inclusive nos Estados Unidos, país onde vivia há 16 anos e onde faleceu. Entretanto, é inegável que foi Olavo de Carvalho o responsável por preparar o terreno para que o maior país católico do mundo elegesse pela primeira vez em décadas um presidente que não fosse de esquerda. Fez isso pela educação e conscientização sobre a guerra cultural dos tempos modernos, não por meio de militância política.

Sua obra e pensamento permanecerão por longo tempo. Como água que escorre pelas mãos, seu legado seguirá seu curso apesar das calúnias da classe dominante socialista. Entretanto, a grandeza e admiração devidas à sua vida e obra devem ser medidas pelos milhares de pessoas que se converteram à Santa Igreja Católica por meio dele. Devoto de São Pio de Pietrelcina e Nossa Senhora de Fátima, Olavo de Carvalho, ou Professor Olavo de Carvalho, como preferem tratá-lo muitos de seus alunos e admiradores, fez um sem-número de pessoas se confrontarem consigo mesmas, julgarem suas próprias condutas e se verem diante de Jesus Cristo como Senhor e Deus. Isso ele o fez por meio de vias intelectuais e da sinceridade com a qual narrava suas próprias experiências. Influenciou sacerdotes e leigos que abandonaram o progressismo e diversas vezes encontraram nele inspiração para não abandonar o caminho de santificação. Converteu ateus e protestantes, que voltaram para a casa do Pai. Ele foi, enfim, instrumento de Deus para salvação da alma de muitos homens e mulheres.

Como explica São Bernardo de Claraval, o homem vive em condição tal que lhe é impossível não pecar. Olavo de Carvalho foi homem, falhou, aprendeu, errou, mas o bem que fez prevalece. Fez-se útil como pôde. Resta-nos trabalhar para dar continuidade àquilo que ele começou. Rezemos em sufrágio de sua alma. Que Deus o receba com misericórdia no céu.

Comments

Commenting Guidelines
LifeSiteNews welcomes thoughtful, respectful comments that add useful information or insights. Demeaning, hostile or propagandistic comments, and streams not related to the storyline, will be removed.

LSN commenting is not for frequent personal blogging, on-going debates or theological or other disputes between commenters.

Multiple comments from one person under a story are discouraged (suggested maximum of three). Capitalized sentences or comments will be removed (Internet shouting).

LifeSiteNews gives priority to pro-life, pro-family commenters and reserves the right to edit or remove comments.

Comments under LifeSiteNews stories do not necessarily represent the views of LifeSiteNews.

0 Comments

    Loading...