News
Featured Image
Masked woman recoils from a unvaccinated woman without a mask.9nong/Shutterstock

(LifeSiteNews) – Um novo estudo global realizado por investigadores com a Universidade de Aarhus na Dinamarca descobriu que as pessoas que estão “vacinadas” contra a COVID-19 guardam atitudes intensas e unilaterais de preconceito contra os seus amigos, familiares e vizinhos “não vacinados.”

O estudo, elaborado por Alexander Bor, Frederik Jørgensen, e Michael Bang Petersen com uma pré-impressão publicada a 18 de Fevereiro de 2022, examinou dados recolhidos de cidadãos de todo o mundo com o objectivo de determinar se as pessoas vacinadas e não vacinadas tinham atitudes preconceituosas entre si, no contexto das medidas polarizadoras impostas por todo o mundo, em resposta à pandemia da COVID-19.


Utilizando dados obtidos de 10.740 inquiridos em 21 países, os investigadores utilizaram “uma medida padrão de reacções de exclusão nas relações familiares” para quantificar o grau de antipatia entre os vacinados e os não vacinados.

Antes da compilação dos dados, os investigadores tinham feito várias predições.

Os autores do estudo propuseram que os vacinados poderiam ver os não vacinados como “incompetentes” ou “não confiáveis”, por “acreditarem em informações falsas” sobre as vacinas ou por não “contribuirem para o bem colectivo do aumento do controle sobre a pandemia.”

Entretanto, os investigadores sugeriram que aqueles que não foram vacinados considerassem os que o fizeram como incompetentes ou não fidedignos por depositarem uma fé errada nas autoridades de saúde pública e “terem opiniões exageradas sobre os riscos associados à COVID-19.”

No entanto, apesar das predições sobre antipatia mútua, os autores do estudo descobriram que a hostilidade projectada entre grupos era exclusivamente unilateral.

Segundo a investigação, “as pessoas vacinadas têm uma elevada antipatia para com os não vacinados”, enquanto “a pessoa média não vacinada não tem qualquer antipatia para com os indivíduos vacinados.”

Verificou-se que o preconceito dos vacinados contra os não vacinados ocorria a uma taxa “2,5 vezes superior à de um alvo tradicional: os imigrantes do Médio Oriente.”

Esta antipatia reflecte, em parte, inferências estereotipadas de que os indivíduos não vacinados não são dignos de confiança e não são inteligentes, fazendo com que a antipatia se assemelhe a um preconceito para com outros grupos desviantes” – lê-se no resumo do referido estudo.

Enquanto que os investigadores observaram “grandes antipatias em todos os grupos demográficos” por aqueles que receberam as drogas experimentais contra aqueles que não as receberam, os níveis de preconceito foram “até certo ponto maiores entre os entrevistados que eram mulheres, altamente instruídas, mais prósperas, e mais idosas.”

O estudo concluiu que a hostilidade evidente contra os não vacinados não se deve apenas ao medo de contrair o coronavírus, para o qual os U.S. Centers for Disease Control and Prevention (os CDC – Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA) relatam uma taxa de sobrevivência da infecção superior a 99,95% para as pessoas com menos de 50 anos de idade. Em vez disso, o preconceito “também activa estereótipos mais fundamentais” semelhantes aos dos que surgem em relação aos toxicodependentes e aos doentes mentais.

A investigação também descobriu que as pessoas de países com “maior confiança social”, cujas maiorias acreditam que “a maioria das pessoas é de confiança”, eram na verdade mais susceptíveis de serem preconceituosas contra os não vacinados por terem violado “normas sociais”, enquanto as pessoas de países mais cautelosos tendiam a demonstrar menos preconceitos contra aqueles que optavam por não tomar as drogas experimentais.

Segundo os investigadores, os resultados deveriam ser tomados em conta pelos líderes que utilizaram uma linguagem “moralista” para enquadrar a vacinação como um dever moral e condenar os não vacinados.

Muitos líderes mundiais, incluindo o Presidente francês Emmanuel Macron, o Primeiro Ministro canadiano Justin Trudeau, e o Presidente americano Joe Biden, afirmaram que a vacinação com as drogas experimentais, manchadas pelo aborto, é um “dever patriótico”, “a coisa correcta” a fazer, e um “bem público global”, ao mesmo tempo que suscitam indignação por chamar nomes, ameaçar e acusar falsamente os não vacinados de prolongar a pandemia.


Os investigadores da Universidade de Aarhus argumentaram que, embora “a comunicação moralista sobre a questão da vacinação seja uma estratégia eficaz para aumentar a aceitação”, os resultados da sua análise chamam “a atenção para o potencial impacto negativo de tal estratégia.”

O estudo observa que “os indivíduos não vacinados já se sentiam marginalizados e fatigados desde o início da pandemia” e afirmava que “a desconfiança no sistema político era uma razão fundamental para recusar a vacinação.”

Além disso, com o sentimento de que os não vacinados “se sentiam pressionados” “contra a sua vontade” a ser vacinados por mandatos governamentais de cima para baixo, vergonha social, e outras sanções, “esta pressão aumenta a desconfiança na gestão da pandemia por parte dos governos.”

Para os investigadores de Aarhus, os dados destacam os “custos” da estratégia prevalecente de vacinação da COVID-19 que enquadrou “a vacinação como uma obrigação moral.”

“Quer seja compreensível ou não, a antipatia enfrentada pelos não vacinados pode exacerbar a marginalização e a desconfiança”, refere o estudo.

Os investigadores alertaram que, como indivíduos “que cumprem os conselhos das autoridades sanitárias condenam moralmente aqueles que recusam a vacinação”, e aqueles que optam por tomar as suas próprias decisões médicas “sentem-se pressionados contra a sua vontade” a tomar um medicamento experimental indesejado, o “conflito entre aqueles que são vacinados contra a Covid-19 e aqueles que não são, corre o risco de tornar-se numa nova divisão sócio-política.”

O estudo que indica um crescente preconceito unilateral contra os não vacinados vem na medida em que os ensaios de vacinas contra o coronavírus nunca produziram provas de que as injecções parassem a infecção ou a transmissão, enquanto existem fortes indícios que sugerem que os “vacinados” são igualmente susceptíveis de transportar e transmitir o vírus, tal como os não vacinados.

Entretanto, a lista de efeitos adversos reconhecidos pela FDA relacionados com as injecções experimentais aumentou de reacções anafiláticas graves até incluir eventos trombóticos fatais, a miocardite inflamatória do coração, e doenças neurologicamente incapacitantes como a Síndrome de Guillain Barré, bem como dezenas de milhares de mortes e incapacidades permanentes registadas.

A 1 de Fevereiro de 2022, nove académicos altamente credenciados emitiram um ensaio exaustivo pré-impresso documentando uma série de resultados significativamente negativos que resultam de mandatos de vacinas experimentais da COVID-19, passaportes e políticas de discriminação baseadas na condição vacinal.

Comments

Commenting Guidelines
LifeSiteNews welcomes thoughtful, respectful comments that add useful information or insights. Demeaning, hostile or propagandistic comments, and streams not related to the storyline, will be removed.

LSN commenting is not for frequent personal blogging, on-going debates or theological or other disputes between commenters.

Multiple comments from one person under a story are discouraged (suggested maximum of three). Capitalized sentences or comments will be removed (Internet shouting).

LifeSiteNews gives priority to pro-life, pro-family commenters and reserves the right to edit or remove comments.

Comments under LifeSiteNews stories do not necessarily represent the views of LifeSiteNews.

0 Comments

    Loading...